Micro e Pequenos Empreendedores Informais da região Norte recebem mais de R$ 157,2 milhões de microcrédito




Número reflete apoio financeiro do Programa Amazônia Florescer do Banco da Amazônia aos micros e pequenos empreendedores informais
Com o retorno das atividades em função da pandemia da covid-19, muitas pessoas que ficaram desempregadas estão encontrando no mercado informal a alternativa de obter renda e sustento. De acordo com o Boletim Conjuntura de agosto/setembro do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Econômicos (DIEESE), no segundo trimestre de 2021, houve um aumento do trabalho por conta própria em todo o país, que alcançou o patamar recorde de 24,8 milhões de pessoas, crescimento de 4,2% na comparação com o trimestre anterior.
Este aumento também se refletiu na região Norte com a elevação nas concessões do microcrédito produtivo e orientado, disponibilizado pelo Banco da Amazônia (Basa), por meio do Amazônia Florescer. Até setembro deste ano, foram aplicados R$ 157,28 milhões em toda a região Norte e mais de 44 mil clientes foram atendidos. 
De acordo com o gerente executivo de Pessoas Físicas do Basa, Luiz Lourenço, o programa Amazônia Florescer nasceu da necessidade do Banco financiar empreendedores populares que normalmente não teriam acesso a crédito pelas linhas tradicionais, ou seja, aqueles empreendedores que têm um negócio informal ou que está formalizado mas que não tem um volume grande do negócio. “O Banco criou há 14 anos o Amazônia Florescer com duas vertentes, o comercial, de vendas e a área rural, agricultura de subsistência e familiar como indígenas e o micro produtor rural”, explicou.
O programa visa beneficiar comércios, mercearias, armarinhos, vendas de comidas, refeições, açaí, feirantes, salões de beleza, oficinas, consertos em geral, confecções, padarias, artesanato, etc. São beneficiárias do Amazônia Florescer Urbano pessoas físicas das áreas urbanas empreendedoras de atividades produtivas com a renda ou a receita bruta anual para enquadramento no PNMPO até R$ 360 mil.
A empreendedora de reciclagem, Francisca Caetano, moradora da cidade de Belém-PA é uma das beneficiadas pelo programa Amazônia Florescer Urbano do BASA. Ela começou como costureira e iniciou com 300 reais e, como o grupo dela foi pagando de forma regular, ela já obteve 20 mil. Depois, ela mudou de ramo e passou a vender materiais recicláveis como alumínio. “Com a concessão de crédito para o meu negócio, eu pude investir e ampliar o meu espaço de reciclagem, e hoje eu faço a compra e venda de latinhas de alumínio e fico muito contente de ajudar as pessoas carentes comprando os materiais que eles trazem”, comentou. Ela possui agora um sonho maior que é empregar pessoas e expandir ainda mais esse setor para trabalhar também com plásticos, ferros e tudo que puder ser reciclado.

 
Formas de acesso ao Amazônia Florescer

De acordo com o gerente Luiz Lourenço Neto, para interessados ingressarem no Programa Amazônia Florescer, devem procurar as unidades de Microfinanças da OSCIP AMAZONCRED, parceria operadora do programa. Os escritórios encontram-se disponíveis no site do Banco (www.bancoamazonia.com.br).
Os interessados devem formar grupos solidários de no mínimo três até dez pessoas que se conhecem e possuem um negócio cada um. Com a visita do assessor de Microfinanças da OSCIP AMAZONCRED, no empreendimento de cada integrante do grupo será elaborado um cadastro e a proposta de crédito do cliente através do MPO Digital, aplicativo que cadastra os clientes, organiza o grupo e faz a proposta de crédito de maneira muito simples e rápida.



POSTS RELACIONADOS