Agricultores familiares, produtores rurais e empresas que atuam no setor podem solicitar o crédito para favorecer a comercialização da produção

A ausência de infraestrutura suficiente no agronegócio, o desperdício de alimentos e a logística demandam do produtor um esforço maior e um bom planejamento de armazenagem para não prejudicar a comercialização da própria produção. 

De acordo com dados extraídos do site da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o Brasil é um dos países com menor capacidade de armazenagem de grãos, em comparação com outros países. De acordo com o IBGE, o armazenamento agrícola no Brasil foi de 176,3 milhões de toneladas no segundo semestre de 2020, o que representa uma redução de 0,1% em relação ao semestre anterior, contendo apenas 7.900 armazéns convencionais e silos para toda produção, o que corresponde a 14% da capacidade de armazenamento de grãos nacional. 

Tendo em vista essa demanda, o Banco da Amazônia (Basa) disponibiliza recursos comerciais e linhas de crédito por meio do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO),  pelo seu Plano Safra 2021/2022 cujo valor oferecido é de R$ 7 bilhões, destinado para o agronegócio da Amazônia, sendo que R$ 4 bi é voltado para minis, pequenos produtores e para agricultores familiares. 

Dentre os projetos a serem financiados, encontram-se para transportes e armazéns que se enquadram nos setores prioritários destacados pelo Conselho Deliberativo (Condel) da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (SUDAM). Os outros setores prioritários são agricultura familiar, agropecuária, pesca e aquicultura. 

Especificamente para a construção e ampliação de armazéns, o Basa oferece linhas de crédito tanto para o setor rural. Há o FNO Amazônia Empresarial permite projetos de armazenagem para o setor não rural, como por exemplo, cerealistas. Também há o FNO Amazônia Rural que favorece projetos que objetivam a ampliação, modernização, reforma e construção de novos armazéns dentro da atividade rural e o PRONAF Agroindústria, para atividades que necessitam de armazenagem da produção agropecuária de produtores beneficiários do PRONAF.

Uma das vantagens de se contratar uma operação para investir em armazenagens na região Norte, é a isenção de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e prazos de até 15 anos, incluindo a carência de até seis anos, para projetos de armazenagem com juros de 5,17% ao ano. 

De acordo com o superintendente do Estado de Rondônia, Diego Campos, o Estado de tem a grande possibilidade de produção e escoamento de grãos, e a necessidade de armazenamento na localidade é de extrema importância. “Em 2021, destacamos a possibilidade do Estado se tornar um grande corredor de exportação, estando propício aos investimentos em portos, transportes, logística, armazéns e toda a cadeia relacionado ao escoamento da produção”, afirmou. 

Para o superintendente regional do Pará I, Edmar Bernaldino, o Banco da Amazônia tem apoiado bastante com financiamentos voltados para armazenagem. “Estamos em uma região que produz muito grão. Com o maior nível de produtividade e adoção de novas tecnologias, que tem aumentado ano a ano, amplia também a necessidade de melhorar a infraestrutura de armazenagem nas propriedades rurais, conforme a necessidade de cada empreendimento”, comentou.

Bernaldino acrescenta que o Banco está atento a este movimento e, a cada Plano Safra, o Basa tem disponibilizado um maior volume de recursos para esta finalidade. Além do prazo do financiamento, para este plano safra, as taxas de juros estão bem atrativas”, informou.

Para saber mais sobre as linhas que contemplam construção e ampliação de armazéns na região Norte acesse: https://www.bancoamazonia.com.br/index.php/produtos-servicos/empresa/financiamentos 

O Plano de Aplicação de Recursos do Fundo Constitucional do Norte para 2021 encontra-se em https://www.bancoamazonia.com.br/index.php/component/edocman/plano-aplicacao-recursos-financeiros-fno-2021/viewdocument/3693?Itemid=0

Você vai abrir um negócio e não sabe por onde começar, ou mesmo como simular financiamento entre tantas opções disponíveis no mercado? 

Não se preocupe!   

Esse tipo de dúvida é bastante comum entre os empreendedores de primeira e até segunda viagem. No entanto, é necessário muita atenção para não embarcar numa furada justamente no momento em que sua empresa precisa de fôlego para crescer. 

Neste artigo, você vai conhecer algumas das várias possibilidades oferecidas pelos bancos e como eles podem se tornar parceiros fundamentais para o seu negócio. Continue lendo! 

Como simular financiamento? 

Para sua comodidade, entenda, a princípio, que você não precisa sair de casa, gastar gasolina e sola de sapato ao visitar banco após banco para tão somente simular financiamento. Hoje em dia, a simulação pode ser feita até no seu celular, com o app apropriado.  

No aplicativo, você pode propor apoio de crédito para os principais setores de atividade econômica, como agricultura familiar, empreendimento rurais, reflorestamento, indústria, comércio, serviços e inovação, entre tantos outros.

Lá, basta que você defina dados como: 

Algumas vantagens em adotar o financiamento 

Além de poder contar com a orientação e expertise de um time que entenda qual a melhor hora e circunstância para você abrir o seu negócio – o que é fundamental para saber se a sua ideia tem futuro – uma linha de financiamento também traz algumas vantagens que pavimentam a trajetória do empreendedor. 

Vamos ver quais elas são, independentemente do porte da sua empresa?

Mas o que devo levar em consideração na hora da análise? 

Ao analisar prazos e condições, é importante ter em mente qual a sua necessidade de crédito.

Parece simples, mas muitas propostas são descartadas pelos bancos quando não está claro para que você precisa de financiamento: você vai investir em maquinário ou matéria-prima? Precisa de uma infraestrutura física no primeiro momento? 

Além de responder a todas essas perguntas, é altamente recomendável pesquisar linhas e bancos que apresentam a proposta mais viável de acordo com o seu plano de negócios.  

Mas ainda é importante destacar que as linhas de crédito e financiamento não atendem apenas aos empreendimentos que ainda não saíram do papel.

Elas podem auxiliar inclusive o dia a dia das empresas, oferecendo, por exemplo, a modalidade de capital de giro parcelado, contando com parcelas pré ou pós-fixadas, em até 60 meses (em se tratando de empreendimentos de médio ou grande porte). 

Vai abrir um negócio? Seja realist na hora das simulações? 

Segundo um famoso levantamento do Sebrae, uma a cada 4 empresas fecha antes de completar dois anos de atividade no Brasil. Um dado alarmante que demonstra a importância de um plano de negócios sólido e próximo da realidade.

Lembre-se sempre de que o financiador não cria as oportunidades, apenas as viabiliza, e durante a abertura do negócio, você também deve aplicar um capital inicial considerável!

E um provocador de tantos fechamentos precoces no mercado é, além da falta de planejamento, tanto estratégico como de marketing, a incapacidade de arcar com o próprio financiamento, muitas vezes viabilizado por instituições suspeitas, que desconhecem o segmento de atuação do empreendedor e praticam taxas que estrangulam o negócio em médio prazo.

Atenção redobrada para a taxa de juros praticada 

Depois de simular financiamento e escolher seu parceiro/financiador, é importante que você jamais pegue um crédito que apresente a taxa de juros maior que a rentabilidade estipulada para o seu tipo de negócio e segmento.

Essa é uma forma bastante simples para identificar, de antemão, se os juros praticados pelo banco são (ou não) altos para o empreendimento. 

Afinal, quais as melhores dicas e oportunidades para quem quer ter um negócio sustentável? 

Saiba que você não precisa “inventar a roda” na hora em que for buscar um parceiro para financiar o negócio dos seus sonhos.

Se compreende exatamente no que pode e deve investir, tem um planejamento estratégico de crescimento traçado e entende que a inadimplência não pode ser uma alternativa nesse percurso, todas as cartas estão na mesa.

Portanto, além de conhecer as principais linhas de financiamento disponíveis para o perfil do seu negócio, é imprescindível calcular todos os custos envolvidos na concessão do seu crédito, tais como tarifas e tributos que, normalmente, incidem direta ou indiretamente sobre ele, como é o caso do já citado IOF.

Pense no coletivo 

Para que o seu negócio seja, de fato, sustentável, ele tem que atender interesses muito maiores: não basta aquecer a economia, gerar lucro, renda, empregos e sustento.

É preciso que ele venha a contribuir para o bem-estar coletivo, e isso, você só garante quando aceita consolidar parcerias com instituições que apresentam a preocupação com a sociedade entre os seus valores. Logo, escolher o melhor banco vai muito além de taxas e condições. Pense nisso!  

Bom, e agora que você certamente encontrou a solução para diversas dúvidas sobre como simular financiamento, basta encontrar uma instituição que venha não só ajudar nessa etapa importantíssima, mas atuar como uma parceira no impulsionamento dos seus resultados. 

O Banco da Amazônia, por exemplo, dispõe de linhas de financiamento ideais para micro e pequenos empreendedores, com a vantagem de contar com um time de especialistas que realmente entende do seu segmento.

Agende uma visita e conheça outros produtos e serviços que também poderão auxiliá-lo rumo ao sucesso.    



POSTS RELACIONADOS