Só na microrregião do Rio Caeté, no nordeste do Pará, o Banco já beneficiou 710 mulheres através do programa
A agência Capanema/PA contratou mais oito operações com recursos do Pronaf Mulher, dentro do programa Amazônia Florescer Rural, somando R$ 40 mil só no município. Ao todo, o Banco já beneficiou 710 mulheres pelo programa neste ano.
De acordo com o coordenador Amazônia Florescer Rural, Gabriel Oliveira, o programa é voltado para famílias de baixa renda e estimulam atividades econômicas que variam de corte e costura até plantação de hortaliças. “O crédito dá suporte para que essas mulheres tenham renda, movimentando a economia da região e proporcionando dignidade para as famílias”, comentou.
Ao todo, são 1.800 famílias beneficiadas pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) na região da jurisdição de Capanema/PA, sendo 710 mulheres.
A produtora rural Edilene da Silva foi uma das contempladas do programa. Ela se diz esperançosa e conta que tudo que produz na lavoura, vende na cidade. “Tudo que produzimos na lavoura, a gente vende aqui na cidade mesmo, eu estou muito esperançosa. Eu estou começando a preparar o terreno para meu próximo cultivo”.
O Programa Amazônia Florescer
As contratações foram realizadas pelo Programa Amazônia Florescer Rural, que atende famílias de agricultores enquadrados na linha B do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF) utilizando a metodologia Programa de Microcrédito Produtivo Orientado (PNMPO).
Na operacionalização do Amazônia Florescer, o Banco da Amazônia conta com a parceria da Associação de Apoio à Economia Popular da Amazônia, que dispõe de assessores de microcrédito rural, prestando orientação técnica e administrativa para tais comunidades.
Abrangência da agência Capanema
A agência de Capanema/PA fica localizada na microrregião do Rio Caeté e além de Capanema/PA, atende mais 15 municípios.
De acordo com o site da Imprensa oficial do Estado do Pará (IOEPA), a microrregião do Rio Caeté é localizada na região Nordeste do Pará e é entrecortada pelas rodovias BR-316 e BR-308. Abrange uma área de quase 17 mil quilômetros quadrados, o que representam 1,5% da área total do Pará.
A população da região de integração, em 2014, foi estimada em 494 mil habitantes, correspondendo a 6% do total do Estado. Bragança é o município com o maior contingente de pessoas, com 120 mil (24%), seguido por Capanema com 66 mil (13%) e Viseu 59 mil (12%), juntos concentram 49% da população da região (245 mil habitantes). A taxa de crescimento populacional entre 2010 e 2014, foi de 5,35%, abaixo da média estadual (6,91%).

O Banco da Amazônia realizou a doação de 50 computadores, sendo 25 para a Fundação de Atendimento Socioeducativo do Pará (Fasepa) e 25 para o Movimento República de Emaús. Os equipamentos serão utilizados para a realização de cursos de informática, criação de laboratórios e atendimento em bibliotecas, beneficiando adolescentes, jovens e adultos.

O diretor de infraestrutura de Negócio, Luís Petrônio Aguiar, explica que com a pandemia, o Basa está substituindo os computadores de mesa por notebooks para que os colaboradores possam se deslocar. Agora, com os equipamentos substituídos já revitalizados, a instituição está fazendo doações a entidades que fizeram solicitações oficialmente e que realizam trabalhos sociais relevantes no município de Belém. “Estes equipamentos serão utilizados em um momento de vida muito importante por jovens e adolescentes. Dá a possibilidade a eles de fazer cursos, usar softwares e editar textos, uma planilha, o que para muitos é algo básico, para eles é uma chance de inserção no mercado de trabalho”, comentou reforçando a responsabilidade social da instituição.

De acordo com a diretora de Atendimento Socioeducativo da Fasepa, Vilma Moraes, os computadores doados pelo BASA servirão para garantir os direitos dos socioeducandos que são privados de liberdade.  Com esse quantitativo de 25 computadores, serão atendidas várias unidades. “O nosso objetivo é montar um laboratório de informática em cada unidade e atender as bibliotecas na socioeducação. Cada espaço socioeducativo precisa ter uma biblioteca. Então são 15 espaços socioeducativos, precisando de uma biblioteca cada um”, comentou Vilma Moraes, reforçando a necessidade de mais computadores. 

A Fasepa é um órgão do governo do estado que executa medidas socioeducativas de integração social, voltadas para jovens e adolescentes que se encontram em situação de privação e restrição de liberdade. Oferece cursos na modalidade a distância e presenciais para adolescentes de 12 a 18 anos. Há 15 unidades espalhadas na região metropolitana, região de Marabá e de Santarém.

O Movimento República de Emaús foi criado em 1970 para a defesa e garantia dos direitos da criança e do adolescente em situação de risco pessoal e social e de exclusão social em Belém-PA. Oferece vários atendimentos, cursos, oficinas e movimentos em benefício de famílias carentes, com atenção especial para adolescentes e jovens.

De acordo com a coordenadora geral do Movimento, Georgina Cordeiro, os computadores serão usados para a criação de um novo laboratório de informática a ser inaugurado no segundo semestre nas instalações da República de Emaús, no bairro do Benguí. “Esses equipamentos chegaram em uma hora muito boa, os que tínhamos eram antigos já estavam deteriorados pelo tempo. Agora com esses novos computadores, temos condições de abrir em agosto os cursos”.

Participaram do ato de doação dos computadores, o superintendente regional do Basa do Pará e Amapá, Edmar Bernaldino; o gerente de Patrimônio e Gestão de Contratos do Banco, e representantes das duas intituições.

Como doar para a Fasepa e Movimento República do Emaús

Quem tiver computadores, tablets e eletrodomésticos, em funcionamento ou não, podem ser doados para essas instituições. Interessados em ajudar a Fasepa entrar em contato através do tefelefone: 91-3210-3308. Já para o Movimento de Emaús, o contato é (091) 981708721 ou entregar pessoalmente na sede do Movimento no Benguí ou no Cedeca (Centro de Defesa da Criança e do Adolescente), situada na Tv. Dom Romualdo de Seixas, entre Jerônimo Pimentel e Bernal do Couto.

Está chegando a 21ª edição da Feira Agrotecnológica do Tocantins (AGROTINS), evento 100% digital, que ocorrerá entre os dias 15 e 20 de junho, com o tema Agro 4.0: Tecnologia no Campo. O Banco da Amazônia (BASA) participará mais uma vez para favorecer o agronegócio regional e do estado de Tocantins, oferecendo linhas de crédito para o agricultor e produtor rural adquirir caminhonetes, máquinas e equipamentos com taxas e prazos mais competitivas do mercado, mesmo em meio à pandemia da COVID-19.
De acordo com o Superintendente Regional do Banco da Amazônia no Tocantins, Marivaldo Melo, o BASA reafirma o seu compromisso em levar soluções financeiras de fácil acesso, tendo em visto promover o desenvolvimento econômico em todos os segmentos produtivos presentes na região. Para este ano, o BASA vai disponibilizar, por meio do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO), o valor de R$ 500 milhões em linhas de crédito, voltadas para operações de capital de giro, investimento e custeio.
“Com o tema Agro 4.0, estamos trabalhando para agregar valor à cadeia produtiva, e a industrialização é um passo importante. A Agrotins sempre vem com muita novidade e informação sobre as novas tecnologias, e há uma participação significativa dos produtores, pois a feira reúne conhecimentos e oportunidades para que eles se modernizem adquirindo máquinas e equipamentos com preços e taxas atrativas, lhes permitindo acompanhar essa evolução tecnológica”, comentou o superintendente.
Marivaldo Melo informa que as taxas disponibilizadas serão a partir de 0,36% ao mês para compra de máquinas e equipamentos. Para a aquisição de veículos utilitários, em especial caminhonetes cabine dupla, o produtor rural terá prazos de até 60 meses, sem entrada, com taxa a partir de 0,69% ao mês, parcelas anuais e semestrais. 

Linhas de crédito disponíveis
O Banco da Amazônia é a principal instituição financeira de fomento da Região Norte e opera com exclusividade o FNO, que disponibiliza linhas de crédito como o FNO Amazônia Rural, que possibilita financiamento para aquisição de máquinas e equipamentos de grande porte como colheitadeiras, tratores e etc. É uma linha voltada a pessoas físicas e jurídicas, incluindo associações e cooperativas.
O Banco também oferece o Amazônia Giro Produtor Rural, com taxas a partir de 0,62% ao mês, dependendo do prazo. O FNO Energia Verde Rural, voltada para induzir, estimular e apoiar sistemas de produção de energia por fontes renováveis, essa linha é destinada ao consumo próprio de pessoas físicas (rural e residencial), para a expansão da matriz energética regional, em bases sustentáveis. Também haverá linhas do crédito comercial, recursos próprios do BASA, como o Capital de Giro, voltada para produtos, insumos, equipamentos e etc.As equipes do Banco estarão disponíveis para realizar contratações, renovações de limites de créditos dos produtores que já são clientes do banco e queiram, por exemplo, negociar máquinas e equipamentos durante a feira. 

Como participar da Agrotins 2021
Para participar da Agrotins 2021, o interessado deve acessar www.agrotins.to.gov.br ou acompanhar a programação pelas redes sociais: Instagram (Agrotins2021) e no Youtube (Agrotins 2021 – Seagro Tocantins).
No decorrer do evento haverá palestras, painéis, cursos workshops e outras atividades direcionadas a disseminar a sobre a importância da tecnologia no agronegócio.

R$ 55 mil foi o total destinado para a produção de mandioca e criação de animais 

Um total de 22 famílias indígenas da comunidades rurais de Maturuca, Flechalzinho, Pavão, São Gabriel e Pé de Serra, localizadas no município de Uiramutã-RR, no extremo Norte do Brasil, distante 206 km da capital Boa Vista, assinaram contrato de financiamento com o Banco da Amazônia (BASA) e receberam o crédito de R$ 55 mil com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO), através da linha Pronaf B. As operações foram realizadas pelo aplicativo BASA Digital na última sexta-feira (04), em parceria com a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Estado de Roraima. 

De acordo com o gerente administrativo da agência Boa Vista-RR, André Luiz Silva, o crédito será destinado para a criação de animais de pequeno porte e para a produção de mandioca, através da agricultura familiar. “Em dois dias de visita, foi possível constatar a realidade da produção de alimentos realizadas pelos pequenos produtores, com a validação dos projetos elaborados pela SEAPA e assim firmar o contrato de crédito”, explicou o gerente.  

“Foi uma importante ação do Banco de inclusão social e universalização do crédito, bem como de avanço nos canais digitais e na pulverização do crédito”, comentou o gerente geral da agência Delvan Silva. 

Linha Pronaf B totalmente digital 

Por meio do Pronaf B, agricultores e produtores rurais familiares (pessoas físicas) com renda bruta familiar de até R$ 23 mil, nos 12 meses de produção normal que antecederam a solicitação da Declaração de Aptidão ao PRONAF (DAP), podem ter crédito por meio do Basa Digital. 

De acordo com o superintendente Esmar Manfer, é uma plataforma de crédito, que disponibiliza a linha PRONAF B, ampliando o acesso ao crédito por parte de agricultores familiares.  

O Basa Digital já está sendo acessado nos estados do Pará, Acre, Amazonas, Rondônia e Roraima e conta com mais de 16 empresas parceiras com acesso habilitado ao serviço. Até o final de 2020, foram cadastrados na plataforma, aproximadamente, 650 clientes, 300 técnicos agrícolas habilitados e cerca de 290 propostas aprovadas de forma automática.  

Neste ano, o BASA vai disponibilizar as seguintes linhas de crédito no BASA Digital: PRONAF Custeio, PRONAF Mais Alimentos, PRONAF Floresta, Custeio AGRO, Veículos, Máquinas e Equipamentos, Energia Verde, Capital de Giro Produtor Rural, Capital de Giro Empresa. Com o BASA Digital, o Banco pretende ampliar a sua aplicação de crédito nos municípios da Amazônia Legal.

O Banco da Amazônia (BASA) se mostra presente na luta contra a Covid-19 em diversos setores de apoio, desta vez foi na cidade de Monte Alegre, Região do Baixo Amazonas, onde a agência local, junto com a Superintendência regional do PA II, fizeram a entrega de um gerador de energia para o Hospital de Campanha da cidade.  

O Superintendente Daniel Moura, junto ao Gerente Geral da agência de Monte Alegre, Júlio César Cardoso, fizeram a entrega do grupo gerador, onde outras autoridades como o prefeito da cidade Matheus Almeida, o secretário de finanças, Salim Sadalla, o assessor de gabinete do prefeito, Clóvis Freitas, e o assessor jurídico da prefeitura, Renan Arruda estiveram presentes para receber o gerador. Ele já foi instalado e está funcionando perfeitamente.  

Além disso, o superintendente reforçou a parceria com a prefeitura visando a capacitar as equipes das secretarias de Agricultura e Meio Ambiente, assim como o comprometimento no compartilhamento de informações sobre as experiências com Regularização Fundiária. Serão treinamentos nos expedientes para ferramentas de acesso ao Crédito Rural. 

Ações como esta reforçam o papel do Banco da Amazônia como parceiro do desenvolvimento econômico e social da região. Parabéns à equipe da Agência Monte Alegre por esse belíssimo gesto de empatiadisse o Superintendente da PA II . 

No dia 22 de maio foi inaugurado o Hospital de Campanha de Monte Alegre, além do grupo gerador que foi doado o BASA também está se mobilizando para doar uma parte do mobiliário do hospital. O gerente geral da agência de Monte Alegre, Júlio César, está acompanhando a situação para que a doação ocorra até o mês de junho.  

Rondônia é o 5º maior produtor de café do país e o maior produtor da Região Norte 

Dados da Secretaria Estadual de Agricultura (Seagri-RO) revelam que o estado de Rondônia é o quinto maior produtor de café do país e o maior produtor da Região Norte. A cafeicultura rondoniense tem sido destaque no processo de qualidade e um dos exemplos disso é o produtor Ronaldo da Silva Bento, localizado no município de Cacoal, que foi premiado com o segundo melhor café do Brasil no “Coffee of The Year 2019”. 

Ronaldo Bento trabalha como cafeicultor há mais de 38 anos e obteve o financiamento com recursos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) por meio do Banco da Amazônia (BASA). Ele informou que com o financiamento recebido do BASA, a produção dele aumentou em 40%. “Com o financiamento, tivemos a oportunidade de abrir uma indústria de café e hoje exportamos para vários estados”, revelou.  

“A cafeicultura rondoniense tem passado por um processo de transformação, com expressiva renovação do material genético nas lavouras de Rondônia em substituição às lavouras antigas implantadas com sementes e com baixo padrão tecnológico”, diz o economista da Seagri, Alex Rilie Moreira Rodrigues.     

O superintendente do Basa em Rondônia, Diego Brito Campos, ressaltou a importância da linha de crédito verde para o setor da cafeicultura. “Para nós produzir mais com o menor impacto ambiental é o segredo do sucesso”, comentou. 

Ele informa que para ajudar o produtor o Banco disponibiliza linhas de crédito que vão desde a infraestrutura para o plantio, que consiste na preparação do solo, adubação, mudas, sistema de irrigação, até ao custeio pré-safra, que é o custeio antecipado da próxima safra a partir da comprovação de armazenamento da safra anterior.    

Os interessados na linha de crédito verde podem procurar qualquer uma das agências do Banco da Amazônia para conhecer as taxas e prazos compatíveis com o projeto apresentado. 

Com o tema ‘Agronegócio’, o Banco da Amazônia (BASA) dá início nesta semana à sua mais nova campanha publicitária. Integrada aos principais meios de comunicação do Brasil, como TV, portais, jornais, rádio, aeroportos e redes sociais. A campanha será veiculada a nível regional e nacional. 

De acordo com a coordenadora de Comunicação o Banco, Ruth Helena Lima, a nova campanha mostra que o BASA possui soluções de crédito para os setores da economia da Amazônia, com ênfase para o setor rural e ainda pretende mostrar a importância e a força do Banco para o setor do agronegócio da Amazônia. 

O BASA investiu somente no agronegócio até o final de 2020 mais de R$ 5,3 bilhões. Somente em crédito de fomento a Instituição destinou mais de 11 bilhões de reais somente em 2020 para a toda a Amazônia. 

“O conceito da campanha é referendar que somos o principal parceiro do Agronegócio Regional e que somos o Banco que mais acredita na região Norte e no sonho de milhares de produtores, sempre apoiando projetos sustentáveis e contribuindo para o futuro da região”, afirmou. 

O novo vídeo da campanha Parceria – A Semente do Amanhã na Amazônia encontra-se em https://www.youtube.com/watch?v=kYbnjSZo9ME

Ultimamente, um dos termos mais utilizados no universo dos investimentos é ESG (Environmental, Social and Governance), uma expressão utilizada quando são incorporadas questões ambientais, sociais e de governança como critérios de análise. E hoje, esse termo está no topo das prioridades corporativas, especialmente no Brasil, onde a biodiversidade e a agricultura estão dando as mãos.

E mesmo em tempos tão difíceis, de acordo com cientistas que participarão da 15ª Conferência das Partes UN Biodiversity Conference (CBD COP 15), que ocorrerá em outubro na China, é possível reverter a perda da biodiversidade, desde que haja uma união de esforços de conservação, restauração e uma transformação completa no modo de produzir e consumir os alimentos.

Entretanto, é primordial a cooperação com os fazendeiros, povos indígenas e comunidades locais, para que essa união possa beneficiar a biodiversidade, os ecossistemas e, ao mesmo tempo, produzir alimentos mais nutritivos e saudáveis para todos. Com esse trabalho conjunto, superfícies agrárias passam a ter mais condições de fornecer ambientes propícios para a diversidade biológica, manter unidas áreas de preservação e, consequentemente, aumentar a capacidade de produção.

Pensando nisso, elencamos aqui três ações que podem fazer a diferença no seu negócio.

A fertilização e o condicionamento dos solos são áreas do manejo agrícola que permitem diferentes ações sustentáveis. Dentre os fertilizantes naturais mais conhecidos, podemos destacar a adubação verde, o composto orgânico, a farinha de ossos e torta de mamona.

Um dos aspectos ambientais mais críticos para o agronegócio é constituído pelos elevados números referentes ao volume de água consumida pelos processos de irrigação. A telemetria pode otimizar a eficiência dos processos de irrigação da lavoura com economia de milhares de litros de água. Associada aos sistemas de aplicação de água por gotejamento, é possível obter uma economia de água considerável.

Fontes de energia renovável contemplam os princípios básicos de sustentabilidade e de preservação da biodiversidade, que devem ser praticados no agronegócio. Com a sua utilização, é possível fortalecer a integração do produtor com o ambiente onde vive.

Nós, do Banco da Amazônia, incorporamos a preocupação com o desenvolvimento sustentável em nossa missão e a estratégia de longo prazo traduzida nos compromissos firmados com a Agenda 21 Brasileira, buscando conciliar o social, o econômico e o ecológico, num conjunto de ações integradas que possam levar a sociedade amazônica a níveis de evolução jamais atingidos pelas estratégias fragmentadas de desenvolvimento até então praticadas.

Dessa forma, o banco, além de ser executor das políticas, planos e programas de governo, torna-se uma instituição indutora e formuladora ativa do processo de desenvolvimento sustentável para a Amazônia.

Saiba mais aqui: https://www.bancoamazonia.com.br/

As contratações seguem mediante credenciamento de empresas devidamente cadastradas nos Conselhos Regionais de Engenharia (CREA-PA/AP) e Medicina Veterinária (CRMV-PA/AP)

A Superintendência o Banco da Amazônia se reuniu com o Conselho Regional de Engenharia (CREA-PA) e Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV/PA) para apresentar o Edital de Credenciamento de Profissionais para prestação de serviços técnicos nas áreas de abrangência do banco. O edital abre vagas de credenciamento para empresas e profissionais autônomos nos segmentos de Engenharia Agronômica (Agronomia), Engenharia Florestal, Engenharia de Pesca, Medicina Veterinária e Zootecnia.

Para o presidente do CREA-PA, Eng. Civil Renato Milhomem, a ação se resume em uma parceria contínua para o desenvolvimento da Amazônia, “Penso que essa parceria não precisa se resumir apenas a essa ação, mas seguir como algo contínuo, em diversas outras, sempre que o Banco da Amazônia precisar de apoio naquilo que englobe serviços e obras de engenharia”, frisou o presidente.

Para o superintendente regional do Basa PA/AP, Edmar Bernaldino, o edital oportuniza para o profissional um campo de trabalho que estejam alinhados às aplicações do Fundo Constitucional do Norte (FNO). “Hoje qualquer aplicação que fomos fazer ele precede um serviço técnico, seja uma avaliação, uma visita técnica e a parte de acompanhamento. Digamos o ‘pós’ da operação ele também por norma deve ser fiscalizado, portanto, demanda o olhar do profissional”, afirmou o superintendente.

O Edital de Credenciamento de Profissionais foi aberto em janeiro e segue sem tempo determinado para finalização, os documentos devem ser entregues na Gerência de Patrimônio, Logística, Contratações e Gestão de Contratos (GEPAC), no Edifício Sede do Banco da Amazônia localizado na Av. Presidente Vargas nº 800.

Para saber mais acesse: https://www.bancoamazonia.com.br/index.php/sobre-o-banco/licitacao

Para levar ajuda às comunidades mais vulneráveis, que estão sofrendo com os impactos causados pela pandemia da COVID-19, o Banco da Amazônia (BASA) lança a nova edição da sua Campanha Solidária 2021, que traz como tema: Amor que alimenta sonhos e esperança. 

De acordo com a Gerente de Gestão de Pessoas, Bruna Paraense, a ação pretende estimular o espírito solidário na Instituição e fomentar a atuação voluntária, movimentando uma rede de solidariedade entre colaboradores, clientes, parceiros e a sociedade em geral.

Bruna explica que a Campanha Solidária tem como foco arrecadar recursos financeiros que devem ser depositados na conta corrente que as entidades possuem no Banco, alimentos não perecíveis e material de higiene pessoal e limpeza. “Os itens estão definidos em regulamento publicado internamente e contarão pontos cada um”, informa.

A campanha está sendo realizada em todos os estados da Amazônia Legal, por meio de nove superintendências regionais do Banco, e contemplará treze instituições da região amazônica, por meio de convênios já realizados. 

O êxito da campanha de 2020 

A Gerência de Gestão de Pessoas informa que as Campanhas Solidárias do BASA integram um Programa de Voluntariado, que realiza ações há mais de dez anos. A ação do ano passado arrecadou mais de 6.700 itens, sendo alimentos não perecíveis, cestas básicas, materiais de higiene e mais de R$ 100 mil em recursos financeiros, beneficiando 14 entidades sem fins lucrativos da Amazônia Legal.

Para participar

Para colaborar com as Obras Sociais da Paróquia de Nazaré (OSPAN) com recursos financeiros, os depósitos podem ser feitos na conta corrente 071929-7, agência 128-7. O CNPJ da entidade é 04.746.442/0001-32. Os materiais doados podem ser entregues na Agência Belém Reduto (Tv. Almirante Wandenkolk, nº 175).

Já as contribuições para a Associação de Pais de Pessoas com Necessidades Especiais do Tapajós (APPNET) podem ser feitas na conta corrente 072.687-0, agência 046-9. O CNPJ da entidade é 21.721.068/0001-30. Os materiais doados podem ser entregues na sede da Superintendência Regional PA II e agência Santarém (Tv. Nazaré, nº 75- A – Praça São Sebastião).

As doações para a Associação Projeto Futuro Melhor podem ser feitos na conta corrente 072.696-2, agência 034. O CNPJ da entidade é 06.963.509/0001-16. Os materiais doados podem ser entregues na Agência Marabá Centro (Folha CSI-31, VCI-1, Lotes 53/57 – Marabá – PA). A campanha do Basa vai receber doações até o dia 17 de dezembro em todos os estados da Amazônia Legal.



POSTS RELACIONADOS